Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que é proibido nos processos de recrutamento, mas muitas empresas fazem

Quais práticas de recrutadores podem ser consideradas ilegais? O consultor da área trabalhista da Veirano Advogados explica

Por José Geraldo da Fonseca é consultor de área trabalhista do Veirano Advogados Atualizado em 27 dez 2021, 20h27 - Publicado em 3 fev 2020, 15h18

É cada dia mais frequente o hábito das empresas de vasculhar as redes sociais em busca de dados dos candidatos a emprego. Não há nada de ilegal nessas pesquisas, porque esses dados foram postados ali pelo próprio candidato e se presumem verdadeiros. Na maioria das vezes, o candidato nem fica sabendo por que não obteve o emprego e as justificativas para a recusa são sempre técnicas.

O que a empresa não pode fazer é pesquisar os cadastros de proteção ao crédito, por exemplo, e recusar o candidato porque está negativado. A empresa também não pode bisbilhotar os dados sensíveis do candidato ao emprego, nem fazer uso deles para qualquer fim.

Uma pesquisa da FIPE realizada em escolas públicas de todo o país, baseada em entrevistas com mais de 18,5 mil alunos, pais e mães, diretores, professores e funcionários, revelou que 99,3% dessas pessoas demonstram algum tipo de preconceito étnico-racial, socioeconômico, com relação a portadores de necessidades especiais, gênero, geração, orientação sexual ou territorial.

Não é de se estranhar que esse alto índice de preconceito aflore também no momento da entrevista de emprego. Num país como o Brasil, multifacetário e miscigenado, o respeito à diversidade deveria ser assunto constante do cardápio de qualquer conversa, grupo ou instituição. Com a empresa não é diferente.

Erro bastante comum no momento da contratação e que pode custar à empresa pesadas indenizações e prejuízos desnecessários à sua imagem corporativa é a discriminação por sexo, gênero, cor, origem, idade, formação cultural, raça, situação familiar, nacionalidade, etnia, defeitos físicos, modo de se vestir ou de falar. A CLT, diversas leis esparsas e a própria Constituição Federal proíbem a discriminação de empregados ou de candidatos a emprego por qualquer desses requisitos. O racismo é crime inafiançável e imprescritível (CF/88, art.5°, XLI e XLII).

Só é lícita a recusa de um candidato ao emprego quando lhe faltar um requisito objetivo ligado diretamente à função ou cargo pretendidos e sem o qual será tecnicamente impossível a execução do trabalho pretendido. Todas as particularidades e exigências técnicas do cargo devem estar previstas e informadas previamente nos editais ou anúncios de vagas.

A Justiça do Trabalho presume discriminatória a recusa de um candidato ao emprego se o motivo da recusa não tiver relação com as exigências técnicas da função. Assim, em princípio, não é discriminatória a recusa de um candidato que tem medo de altura (batofobia) se a função a ser ocupada exige a execução de serviços em grandes estruturas, como o polimento de vidros externos dos edifícios nas grandes cidades, por exemplo. Outro exemplo: não é discriminatória a recusa de emprego em um petshop ou numa clínica veterinária a um candidato que tenha medo de animais (zoofobia) ou alergia a pelos.

Cabelos descoloridos e oxigenados, piercings e tatuagens não são, em regra, motivos para a recusa de candidatos ao emprego, mas há limites. Tatuagens ostensivas, ou que façam apologia a drogas, criminalidade, movimentos socialmente repudiados e condenáveis, guerras, incitação à violência, homofobia ou feminicídio, dentre outros, podem ser obstáculos à contratação. Resolvidas essas questões, o processo seletivo tende a ser mais equilibrado, justo e inclusivo. E já passou da hora que seja desta forma, não é mesmo?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)