Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como a internalização de regras pode ajudar sua companhia?

Em entrevista à VOCÊ RH, Sergey Gravilets, professor da Universidade do Tennessee explica por que a internalização de regras pode diminuir gastos

Por Márcio Simões
Atualizado em 5 dez 2020, 19h13 - Publicado em 30 out 2017, 04h00

Imagine a cena: na cidade alemã de Darmstadt, uma jovem vestida com roupas de roqueira, a cabeça raspada nos lados, o topete moicano pintado de verde, espera o semáforo de pedestres abrir. São 10 horas da noite. Não há quase ninguém na rua. Nenhum carro vem da esquerda nem da direita, e a rua é estreita.

Por que uma jovem com topete moicano espera o sinal verde no meio da noite? Sergey Gavrilets, cientista russo que dá aulas na Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, usou a teoria dos jogos e simulações de computador para investigar esse tipo de coisa: como pode ter surgido essa capacidade do ser humano, a de internalizar normas sociais e de segui-las mesmo quando desnecessário? (Os resultados estão no artigo Collective Action and the Evolution of Social Norm Internalization; veja em goo.gl/dHZscB.) “Em muitas cidades”, diz Gavrilets, “é normal atravessar a rua fora da faixa. Em outras, se você atravessa a rua com o sinal vermelho, mesmo que não haja nenhum carro à vista, talvez alguém lhe diga que é uma má pessoa. Esse é um exemplo de efeito colateral da internalização de uma norma social.”

Por que é importante entender como surgiu a capacidade de internalizar normas sociais?

Quando uma pessoa internaliza uma norma, ela acredita que seguir aquela norma é a coisa certa a fazer, mesmo que ninguém esteja olhando. Se não fosse essa capacidade de internalizar normas sociais, não haveria quem doasse seu tempo e seu dinheiro pelo grupo, nem haveria quem arriscasse a saúde ou mesmo a vida pelo que acredita ser moralmente certo.

Suponha que você é o gerente de um grupo e gostaria que os membros do grupo trabalhassem bastante, sem perder tempo com outras coisas. Se consegue fazer o grupo internalizar essa norma, não precisará gastar energia vigiando as pessoas, nem precisará castigar ninguém para corrigir seu comportamento.

Continua após a publicidade

A internalização de normas importantes reduz vários custos associados ao funcionamento do grupo; por exemplo, o grupo não precisa gastar nada com prêmios para aqueles que seguem as normas, pois todos se sentem compelidos a segui-las. Nossas simulações mostraram que os grupos nos quais há boa internalização de normas sociais têm maior probabilidade de sobreviver.

Empresas devem se preocupar com o tamanho máximo dos grupos que a compõem?

Acho que sim, pois o custo de monitorar aqueles que se recusam a seguir as normas, e de puni-los de alguma forma, aumenta mais e mais com o número de indivíduos do grupo. Em outras palavras, quanto maior o time, mais difícil será obter a cooperação de todos. Isso porque sempre existe uma pequena porcentagem de indivíduos egoístas, que é capaz de quebrar uma norma social se obtiver com isso alguma vantagem pessoal.

Quanto ao resto do grupo, os indivíduos se dividem assim: uma parte segue as normas sociais e, se tiver a oportunidade, castiga quem não as segue; e a outra parte, mais ou menos do mesmo tamanho, segue as normas, mas nunca castiga quem não as segue. Uma solução para grupos grandes é promover atividades ou ideologias que sirvam de apoio às normas sociais que a empresa gostaria que os funcionários internalizassem. Algo como uma religião, ou como uma narrativa que aumente a coesão da equipe. Nossas simulações também mostraram que, quanto maior o desafio a ser enfrentado pelo grupo, melhor a internalização de normas sociais.

Continua após a publicidade

Há muitos anos os políticos aprenderam a explorar isso, e pintam um cenário do tipo “nós contra o mundo” quando querem que a população internalize algum tipo de norma. Se uma empresa enfrenta um desafio legitimamente difícil, deve comunicá-lo com clareza aos funcionários, pois isso deve melhorar a internalização de normas importantes.

Há empresas defendendo equipes sem hierarquia. É um bom modelo?

Não é bem minha especialidade, mas antropólogos e sociólogos dizem que os humanos têm uma predisposição a se deixar liderar. Muitos estudos mostram que, se há cinco, sete pessoas numa sala, naturalmente surge um líder. Assim, se a empresa se abstém de apontar o líder, um líder vai surgir de qualquer modo.

Há aspectos negativos na internalização de normas?

Continua após a publicidade

Com frequência, o indivíduo que internalizou uma norma social vai segui-la até quando não é vantajosa; talvez até castigue os que não a seguem. É o caso de quem reprova a pessoa que atravessa fora da faixa, mesmo que não haja nenhum carro à vista. Não podemos esquecer, contudo, que em nosso mundo inovação é importante, e para que haja inovação deve haver indivíduos que desobedeçam certas normas sociais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.