Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dia do RH: conheça as transformações da área através dos anos

Nesta data que celebra as mulheres e homens que atuam em recursos humanos, Wilma Dal Col, da ManpowerGroup Brasil, fala sobre a evolução da atividade

Por Letícia Furlan
2 jun 2023, 18h00
H

oje é o Dia do Profissional do RH. A data passou a ser comemorada desde outro 3 de junho, em 1976, com a fundação da WFPMA (Federação Mundial de Associações de Gestão de Pessoas, na tradução ao português). 

Relativamente jovem, a área de recursos humanos passou por mudanças desde o seu nascimento, em 1890, durante a Segunda Revolução Industrial. À época, ficou claro que alguém precisava cuidar das relações entre empregador e empregado. “Mas era uma área que tratava e via os funcionários como mão de obra”, explica Wilma Dal Col, diretora de gestão estratégica de pessoas e porta-voz da ManpowerGroup Brasil à VOCÊ RH. 

Ao fim da Segunda Guerra Mundial, especialmente em países industrializados, havia uma situação de pleno emprego. A partir de então, os empregados passaram a ser tratados como indivíduos com necessidades as relações não eram mais industriais, mas sim humanas. 

E, desde então, o RH foi se moldando até virar o que é hoje: muito menos operacional e muito mais estratégico. Dal Col explica como a área vem se expandindo e ganhando cada vez mais significado no negócio. Confira na entrevista a seguir.

Como foi a trajetória do RH até os dias de hoje?

Continua após a publicidade

Assim como a sociedade e o mundo corporativo passaram e ainda passam por transformações, é natural que a área de RH também avance, acompanhando essas transformações. 

No início, tínhamos um RH como uma área mais operacional, com ações focadas nas tarefas administrativas, treinamento dos funcionários, recrutamento e seleção. Esse modelo mais operacional evoluiu à medida em que os funcionários passaram a ser vistos como parte da estratégia do negócio, dando espaço para o papel do RH como business partner, mesclando um olhar técnico, legal, com processos administrativos e relacional, contribuindo no apoio para tomada de decisão sobre funcionários, que já são vistos como colaboradores do negócio. 

Com o avanço da tecnologia e o início da digitalização, as tarefas ligadas a rotinas administrativas ganharam uma dimensão mais ágil e permitiu que o RH assumisse uma atuação mais consultiva, apoiando e ajudando a organização a trabalhar questões como a motivação elevada e o aprendizado contínuo. Tudo atrelado a indicadores de desempenho dos colaboradores.

Hoje, com os desafios tecnológicos, ambientais, sociais e de saúde mental, em um cenários de grande competitividade, mudança demográficas e a ampliação da força das escolhas individuais, podemos dizer que o RH assume um papel estratégico junto ao negócio no que se refere a cultura organizacional, à gestão estratégica de talentos e à transformação. Está integrando uma perspectiva interna (empresa) e externa (sociedade).

Como o RH passou de mais operacional para algo mais estratégico e essencial para o negócio?

Com o avanço da tecnologia e a velocidade das transformações, muitas profissões ganharam outras dimensões, novas definições de função e exigências de habilidades. O potencial humano tornou-se o fator diferenciador para o resultado do negócio e precisa ser tratado como tal dentro do plano estratégico da empresa. Dessa forma, o RH precisa agir e pensar de forma estratégica, estudar cenários e a influência que as ações internas e externas têm ou podem ter no negócio.

Continua após a publicidade

Quais serão os próximos passos para a área?

Cada vez mais a tecnologia será uma aliada nas ações e no papel do RH. Principalmente porque ela, além de agilizar a trazer a Inteligência Artificial para apoiar os processos, abre espaço para a necessidade de foco em ações mais estratégicas e voltadas para excelência na atuação das pessoas. Isso pode significar mudanças importantes também nas competências necessárias para o profissional de RH, como visão estratégica e do negócio, tomada de decisão, capacidade de analisar cenários em um contexto sistêmico – empresa-sociedade-pessoas-clientes.

 Quais os principais desafios para os profissionais que querem entrar nessa área?

Preparar-se e entender sobre cultura organizacional, engajamento e liderança, cenário externo e perspectivas de impacto para os diferentes segmentos e negócios. Além disso, estar pronto para ser um facilitador na conexão da empresa com os funcionários e dos funcionários com a empresa.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.