Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como líderes exaustos podem gerir equipes exaustas

Cobrados para gerir a saúde mental dos funcionários, gestores, que também enfrentam desafios emocionais, precisam de mais apoio das empresas. Saiba por quê

Por Fernanda Colavitti Atualizado em 23 jun 2022, 17h15 - Publicado em 3 jun 2022, 06h58
E

xiste um saldo emocional da pandemia que não se esgotou”, diz a neurocientista Thais Gameiro, especialista em neurociência organizacional. Grande parte das pessoas continua com aquela sensação de exaustão mental experimentada no primeiro ano de adaptação às mudanças decorrentes do enfrentamento da covid-19. Ainda que estejamos voltando à normalidade, há um impacto psicológico de tudo o que foi vivido com o qual iremos lidar por algum tempo, já que as mudanças comportamentais demoram um pouco mais para acontecer.

Em períodos de crise, passamos por diferentes fases. Inicialmente, a reação é um aumento de energia para lidar com a emergência. Num segundo momento, as pessoas se sentem mais desanimadas, cansadas, frustradas e vulneráveis aos problemas físicos e psíquicos. Posteriormente, a tendência é a recuperação. “Acredito que, agora, estamos entre esses dois últimos momentos”, afirma a psicóloga Marcia Barone, da Falla Saúde Mental.

Liderança sem máscara

No mundo corporativo, esse cenário de cansaço e recuperação se soma a mais mudanças e readaptações, com a volta ao trabalho presencial ou híbrido. “Esse pode ser mais um fator de estresse para muita gente. É como se tivéssemos de lidar com mais do que temos condição neste momento”, diz Thais.

Nesse contexto, faz sentido que a síndrome de burnout, caracterizada pelo esgotamento físico e mental associado ao trabalho, tenha sido incluída no rol de doenças ocupacionais pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no começo de 2022.

Para os profissionais em cargos de liderança, toda essa sobrecarga foi (e continua sendo) ainda maior. “O tipo de responsabilidade e de pressão que a liderança vem sofrendo nos últimos dois anos exigiu (e continua exigindo) habilidades que talvez nem fossem pensadas antes de 2020”, diz Marcia. Como resultado, 87,5% dos líderes brasileiros disseram ter sofrido algum impacto na saúde mental durante a pandemia, segundo pesquisa realizada pela empresa de recrutamento Robert Half.

Além de lidar com seu próprio estresse, esses profissionais precisaram gerenciar esse estado vivenciado por seus liderados. E muitos acabaram priorizando a equipe em vez do autocuidado. Um erro. Os especialistas consultados pela reportagem de VOCÊ RH foram unânimes em fazer a analogia com a máscara de oxigênio do avião: antes da decolagem, a orientação dada é que, em caso de emergência, as pessoas a coloquem primeiro em si, e só depois cuidem dos outros.

Muitos líderes não seguiram essa recomendação, seja pela dificuldade em reconhecer, seja pela resistência em admitir os sinais da exaustão mental, estágio anterior ao burnout, quando o corpo e a mente entram em colapso. “Nessa fase, podemos observar muitas alterações de comportamento, como irritação e falta de motivação e de interesse no trabalho”, diz Tatiana Pimenta, CEO da Vittude, plataforma de terapia online.

Um estudo realizado em 2021 pela The School of Life em parceria com a Robert Half mostrou que a pandemia causou impacto na saúde mental de 87,5% dos líderes brasileiros. Ansiedade, estresse, insônia, burnout e depressão foram os mais citados
Você RH/VOCÊ RH

Não é o que parece

Os sinais indicativos do quadro de exaustão mental são muito semelhantes em homens e mulheres. É comum que ambos relatem dificuldade para dormir, dores de cabeça, problemas gastrointestinais, falta de ar, diminuição de foco e concentração, irritabilidade, apatia, entre outros. No entanto, as alterações comportamentais são mais comuns entre os homens, segundo Joana Story, professora do Núcleo de Estudos em Organizações e Pessoas da Fundação Getulio Vargas em São Paulo (FGV EAESP). Ela cita uma metanálise (método estatístico que agrega os resultados de dois ou mais estudos independentes) que apontou que as mulheres, em geral, demonstram mais claramente, com sinais físicos, quando estão exaustas emocionalmente.

Continua após a publicidade

Já nos homens são mais comuns sintomas relativos à perda de interesse, como apatia e cinismo nas relações de trabalho. “Essas diferenças refletem muito os papéis de gênero da nossa sociedade. Para as mulheres, é mais aceitável externar exaustão e emoção, interpretadas como fraquezas”, afirma. É por esse motivo, segundo Joana, que muitas pesquisas apontam que as mulheres sofrem mais burnout do que os homens. “Mas, na verdade, elas apenas demonstram mais”, conclui.

O fato é que a exaustão dos líderes é real e terá um reflexo em toda a equipe, mais cedo ou mais tarde. Voltando à analogia da máscara do avião, é consenso entre os especialistas que é praticamente impossível liderar estando exausto. Ou pelo menos liderar de forma eficiente. “E aqui não está em pauta somente o risco associado à queda de produtividade, mas também ao adoecimento coletivo e ao aumento das taxas de afastamento e de presenteísmo”, diz Marcia.

E essa conta acaba chegando para todos. Estimativa da International Stress Management Association (ISMA) aponta que o custo do burnout pode chegar a 80 bilhões de dólares por ano no Brasil. Outro estudo, realizado pela ISMA-BR, indica que o estresse foi responsável por um aumento de 140% nos gastos trabalhistas das empresas brasileiras nas últimas décadas.

Resiliência x sobrecarga

Evitar ou remediar esse problema deve ser um trabalho em conjunto entre empresas e profissionais, segundo os especialistas. Em primeiro lugar, é preciso ressignificar o sentido de “resiliência”, destaca Marcia. É comum considerar que “ser resiliente” seja suportar cargas horárias extremas de trabalho e enxergar o acúmulo de funções como um indício de força e de comprometimento maior com a organização.

A cultura interna de muitas empresas ainda reforça esse posicionamento, o que não corresponde ao conceito da palavra. “Resiliência é uma habilidade emocional que pode nos ajudar a passar por situações críticas, que nos permite encontrar e desenvolver estratégias para lidar com esses momentos. E, muitas vezes, a estratégia pode ser reavaliar e até mesmo dar um passo atrás, em prol da saúde”, explica a psicóloga.

Para que isso seja possível, empresas e profissionais devem estar em sintonia em relação à importância do equilíbrio entre vida profissional e pessoal, do descanso, do sono de qualidade, do entendimento sobre como o estresse age no corpo e quais são as formas de gerenciar uma crise de ansiedade. Para Tatiana, CEO da Vittude, as corporações precisam propiciar educação emocional a seus funcionários. “É necessário ensinar as pessoas a lidar com as próprias emoções, deixando claro que elas devem sinalizar para o chefe, os colegas ou o RH quando estiverem chegando ao limite e informando de que forma fazer isso”, diz.

Mas essas medidas precisam vir acompanhadas de uma cultura corporativa coerente. Segundo Joana, da FGV, as intervenções individuais (técnicas de gerenciamento do estresse, prática de ioga e meditação, terapia etc.) têm efeitos estatisticamente irrelevantes na redução do estresse profissional e do burnout. “O que as pesquisas demonstram é que o mais importante para reduzir a exaustão emocional e o burnout é a mudança nas práticas organizacionais que estão causando esses problemas”, afirma. “Como alguém vai descansar sabendo que, se tirar um dia de folga, no dia seguinte vai ter de trabalhar 15 horas para resolver tudo?”

Entre as práticas organizacionais consideradas tóxicas, ela destaca o excesso de demandas sem a contrapartida dos recursos para que os profissionais possam lidar com elas. “O problema não é o excesso de trabalho, mas a falta de gente suficiente na equipe, de autonomia para tomar decisões, processos organizacionais lentos e numerosos, tudo o que dificulta sua execução”, diz Joana. “Esse balanço precisa ser levado em conta. Exigir que as pessoas façam cada vez mais com cada vez menos vai levar à exaustão emocional e ao burnout em algum momento.”

Quadro mostra que menos empatia, apatia, cansaço sem fim e dificuldades para tomar decisões são sinais de alerta para a exaustão
Você RH/VOCÊ RH

Compartilhe essa matéria via:

Esta reportagem faz parte da edição 80 (junho/junho) de VOCÊ RH. Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)