Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Reputação da empresa prejudica ex-funcionários

Mesmo que o candidato não tenha se envolvido em atos ilegais, ter trabalhado em organizações que passaram por escândalos atrapalha futuras contratações

Por Vicky Bloch
Atualizado em 5 dez 2020, 19h13 - Publicado em 16 ago 2017, 06h00

A revista Harvard Business Review de abril traz um artigo intitulado O Efeito do Escândalo, no qual aborda a conse­quên­cia para os indivíduos quando a empresa em que trabalham se envolve num problema e como isso respinga em sua carreira.

Apesar de não fazer referência ao Brasil, o texto não poderia ser mais oportuno diante da enxurrada de casos de corrupção envolvendo grandes companhias e governo.

Uma pesquisa realizada pelos autores do artigo revela uma dura realidade: executivos em cujo currículo constam empresas contaminadas por um escândalo são prejudicados no mercado, mesmo que não tenham se envolvido na questão. Quando recolocados, eles recebem remuneração 4% inferior à dos colegas do mesmo nível que não trabalharam em organizações com a reputação abalada.

Esse “filtro” nos processos seletivos acontece nas contratações feitas tanto por headhunters quanto por profissionais de recursos humanos. Alguns caça-talentos afirmam ter descartado candidatos oriundos de companhias manchadas simplesmente porque não conseguiriam justificá-los a seus clientes.

Destaco aqui uma frase repetida pelo amigo e professor Luiz Carlos Cabrera: “Os valores antecedem e são guarda-chuva para que você possa ter a condição de empregabilidade. Não importa quanto você tem de conhecimento, de competências ou de rede de relacionamento — se você rompeu com valores, a continuidade de sua carreira será afetada”.

Continua após a publicidade

Existe aí um dilema moral: se o profissional não rompeu com seus valores, não compactuou com ato ilícito e não recebeu benefício indevido, por que ele está sendo punido? É possível recuperar sua imagem ou ele carregará essa pedra para sempre?

É possível — mas o custo é alto. O tamanho do impacto dependerá de fatores como o momento de carreira, suas habilidades, o setor de atuação, a situação do mercado, a própria honestidade e a transparência ao lidar com o tema. Executivos da área financeira, por exemplo, sentem um baque maior do que os demais, segundo o estudo, assim como as mulheres.

Agora eu pergunto: qual o papel de nossa área de RH nesses casos? Podemos ajudar as equipes de atração de talentos a estabelecer um processo que as permita separar o joio do trigo? Sim, porque entender o que cada pessoa que trabalhou numa empresa envolvida em escândalo estava fazendo lá naquele momento e como ela se posicionou pode ajudar a quebrar estigmas. E, mais ainda, evitar grandes injustiças.

Capa da edição 50 da revista Você RH
Você encontra essa reportagem na edição de Junho/Julho – 50 da VOCÊ RH ()
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.