Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Entrevista: Raul Aparici, diretor de aprendizagem da The School of Life

O espanhol atua para que os profissionais reflitam criticamente sobre si mesmos, saibam fazer boas conexões e se sintam bem com seu emprego e empresa.

Por Alexandre Carvalho
Atualizado em 11 jun 2024, 09h39 - Publicado em 4 jun 2024, 15h09

Uma pesquisa da The School of Life em parceria com a Robert Half mapeou que 28,18% dos funcionários e 21,95% dos líderes entrevistados não estão felizes com seu emprego atual. Além disso, 94,73% dos colaboradores e 95,62% dos gestores acreditam que as empresas são responsáveis pela felicidade dos profissionais.

A The School of Life atua para melhorar esses índices e também para a compreensão de que a felicidade com o trabalho é um sentimento a ser desenvolvido em colaboração, entre líderes e liderados. “Os negócios estão mudando e, embora abordagens rígidas de comando e controle tenham provado ser bem-sucedidas no passado, o bem-estar mental, a atenção ao propósito, uma carreira gratificante e o sucesso empresarial não são mutuamente exclusivos. E todos são responsáveis por essas conquistas.”

Quem afirma é o espanhol, radicado em Londres, Raul Aparici, diretor global de aprendizagem da The School of Life. Ele é o profissional que atua mais proximamente ao fundador da escola, o filósofo Alain de Botton. Consultor e palestrante, pós-graduado em coaching pela University of London, Raul esteve em São Paulo no início de maio, quando ministrou um curso imersivo sobre autoconhecimento e inteligência emocional no trabalho. Falou sobre resiliência, calma, a importância dos relacionamentos e como conduzir uma mudança de carreira.

Continua após a publicidade

Foi também quando atendeu a nossa reportagem para a entrevista a seguir. 

Quais são os objetivos de quem trabalha em uma escola dedicada a ensinar as pessoas sobre a vida?

Queremos ajudar as pessoas a aprender, curar e crescer em sua vida pessoal, e a prosperar e desfrutar de seu trabalho nas organizações. E fazemos isso com algumas das grandes ideias da psicologia, da psicoterapia e das artes. Encorajamos os profissionais a pensar sobre como as nossas ferramentas e ideias repercutem na sua experiência individual. Todos os nossos livros, produtos e sessões são concebidos para fazer perguntas sobre nós e aqueles que nos rodeiam. Cada curso, workshop, palestra, experiência ou livro produzido pela The School of Life tem um objetivo central: aumentar o nível de autoconhecimento e inteligência emocional de cada pessoa e, consequentemente, do mundo. 

Continua após a publicidade

O que você mais ensina e aprende no seu dia a dia?

Trabalho na The School of Life, em Londres, há quase dez anos e dou aulas para o público, como o curso de cinco dias que acabamos de realizar em São Paulo, além de trabalhar em organizações globais. Baseio-me na minha experiência de vida e de trabalho, bem como na minha formação como coach e como psicoterapeuta. É muito importante para mim ser consistente na minha vida, por isso estou sempre questionando e me envolvendo com as minhas próprias experiências com uma atitude curiosa. Posso ser professor na escola, mas sou sempre e para sempre também um aprendiz da vida. Acreditamos que a troca de ideias com outras pessoas tem o poder de nos ajudar a expandir, corrigir e confirmar pensamentos.

Um ambiente para felicidade no trabalho é uma construção coletiva? Depende mais de líderes ou de funcionários?

Continua após a publicidade

Depende. Testemunhei algumas culturas de trabalho tóxicas em que, com as melhores intenções dos colaboradores, a gestão não apoia (ou não está interessada) na abertura e na segurança psicológica, o que tem um efeito negativo na felicidade das equipes. No entanto, isso não significa que os funcionários não possam envolver-se nas suas tarefas de forma diferente. Acredito que essa é uma responsabilidade compartilhada: a empresa oferece um ambiente de trabalho saudável e o profissional coloca em prática o autocuidado. Se um funcionário não está bem emocionalmente por motivos pessoais, por exemplo, pouco ou nada que a empresa faça o deixará mais feliz.

foto de Raul Aparici sorrindo e olhando para a câmera
Raul Aparici, diretor global de aprendizagem da The School of Life: “Se conseguirmos causar impacto numa pessoa e tratá-la com bondade, compreensão e autonomia, aqueles que a rodeiam serão beneficiados, criando um efeito cascata”. [Imagem: Celso Doni / Você RH] (Celso Doni/VOCÊ RH)

Como os gestores podem lidar com as emoções negativas dos seus colaboradores?

O meu primeiro passo seria olhar para dentro: quem sou eu como líder, ou o que estamos fazendo como organização que permite, apoia e perpetua emoções e comportamentos que não ajudam em nada. A parte dois seria ter conversas abertas com os funcionários, a partir de uma posição de questionamento humilde. A terceira parte seria implementar estratégias que tenham sido criadas coletivamente para o benefício da empresa e dos colaboradores. 

Continua após a publicidade

Como manter a sanidade num ambiente de trabalho tóxico ou com um chefe tóxico?

Isso é complicado. Eu diria para encontrar outro emprego! Mas a realidade da economia e as nossas circunstâncias pessoais podem tornar isso impossível. Primeiro encontre a comunidade: fale com outros funcionários, apoiem-se mutuamente. Tente se envolver novamente com o que você ama no seu trabalho: conecte seu dia a dia a um propósito maior para que, mesmo que o ambiente seja difícil, você possa contribuir de forma significativa. Também pense no que você pode fazer para melhorar seu relacionamento com seu chefe: tenha uma discussão aberta sobre a melhor forma de discordar e tente obter o máximo de clareza possível em seu trabalho. Mas, em última análise, se houver bullying ou qualquer outro comportamento inaceitável, fale com o RH e considere medidas mais sérias.

Como você vê o futuro do trabalho à medida que as novas gerações exigem mais direitos e comodidades, enquanto muitos líderes continuam com um estilo de gestão baseado em comando e controle rígidos?

Continua após a publicidade

Uma pesquisa recente mostra que, para 2/3 da Geração Z, é muito importante que seu empregador compartilhe seus valores, com 92% classificando a autenticidade como extremamente ou muito importante, e surpreendentes 74% afirmando que deixariam o emprego se não sentissem progresso. Podemos aprender muito com as novas gerações, e muitas vezes me pergunto se o fato de julgarmos suas exigências como inacessíveis ou ingênuas se baseia no nosso ciúme por elas se atreverem a perguntar o que sempre quisemos, mas nunca fizemos.

Qual o seu propósito na vida profissional?

Para mim é simples: ajudar os outros a pensar criticamente e a se conectarem consigo mesmos e uns com os outros. Acredito fundamentalmente que, se conseguirmos causar impacto numa pessoa no trabalho e tratá-la com bondade, compreensão e autonomia, aqueles que a rodeiam serão beneficiados, criando um efeito cascata, em que todos ganham.

Compartilhe essa matéria via:

Este texto faz parte da edição 92 (junho/julho) da Você RH. Clique aqui e confira os outros conteúdos da revista impressa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.