Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que deixar de ser sedentário não é questão de força de vontade

Muitas vezes, a rotina tóxica de trabalho inviabiliza o desenvolvimento de hábitos mais saudáveis

Por Marcia Kedouk Atualizado em 4 ago 2022, 19h27 - Publicado em 5 ago 2022, 08h45
G

urus da saúde dizem que sentar é o novo fumar. Mas a comparação é um tanto injusta, pelo menos do ponto de vista da gravidade dos danos ao corpo. O tabagismo aumenta em 180% o risco de morte prematura por qualquer causa — com a inatividade, o agravamento é de 20%. Sem contar que o cigarro prejudica também outras pessoas: os fumantes passivos.

Mas o avanço do sedentarismo e os prejuízos associados a ele preocupam. E o assunto ganha cada vez mais espaço na pauta corporativa, assumindo posição central nas ações de bem-estar e de prevenção de doenças crônicas, como a ocupada pelo cigarro décadas atrás. Significa que pagar vale-academia sem incentivar a adesão regular, organizar uma corrida anualmente ou fazer a “semana do bem-estar” não basta. As práticas precisam ganhar consistência e constância. E, a julgar pelos dados trazidos pelas últimas pesquisas, há muito a ser feito.

É fato que o isolamento social e a adoção do home office em larga escala contribuíram para o aumento do sedentarismo. A expectativa era de que, com o afrouxamento das medidas de segurança, o nível voltasse ao de antes da pandemia. Mas não: aumentou 41% no Brasil.

Continua após a publicidade

São várias as causas desse problema. Uma delas é que se tornar ativo não é uma simples questão de motivação pessoal e força de vontade. Muitas vezes, a rotina de trabalho — com várias reuniões seguidas e cultura tóxica, que não incentiva pausas, por exemplo — inviabiliza o desenvolvimento de hábitos mais saudáveis durante o expediente. Fora dele, a violência urbana, a falta de acesso de boa parte da população a áreas de lazer e a diminuição da renda das famílias são obstáculos para a prática de exercícios.

E há um agravante nessa história: a saúde mental (ou a falta dela). As pessoas estão exaustas, precisando de apoio, e não de pré-julgamento.

Compartilhe essa matéria via:

Este texto faz parte da edição 81 (agosto/setembro) de VOCÊ RH.

Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês