Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Empresa cria curso para funcionários evitarem hora extra e terem lazer

Fernanda Azzi criou a rotina de ligar para cada um dos 100 funcionários para um bate-papo informal

Por Caroline Marino Atualizado em 5 jan 2022, 18h17 - Publicado em 6 jan 2022, 07h00

Em março de 2020, quando a maioria das empresas adotou o home office por causa da pandemia, fazia apenas oito meses que Fernanda Azzi, diretora de RH e sócia da Fesa Group, estava na companhia especializada em recrutamento, seleção e gestão de profissionais. Para se familiarizar melhor com as pessoas e os processos, ela criou a rotina de ligar para cada um dos 100 funcionários para um bate-papo informal, com o objetivo de saber como estavam se adaptando à nova realidade. Essa escuta ativa se mostrou uma ferramenta eficiente para promover um ambiente mais saudável.

“Eu perguntava sobre a família, os sentimentos, os pensamentos”, afirma Fernanda. “A ideia foi manter uma conexão com cada um deles e saber como a empresa poderia ajudar.” A partir das demandas levantadas, o RH criou uma série de ações. Uma delas foi oferecer um treinamento sobre gestão do tempo. “Percebemos que as pessoas estavam se sentindo culpadas por realizar atividades pessoais ao longo do dia. Uma das questões que surgiram foi: ‘Como parar para fazer o almoço se tenho tanto trabalho?’.”

Por isso, a empresa organizou um curso sobre boas práticas, como evitar as horas extras e valorizar o lazer, e promoveu também rodas de conversa para debater o tema e compartilhar as dificuldades e os aprendizados. “Consegui identificar, por exemplo, quem era o colaborador que estava passando do horário e qual era o gestor que exigia demais. E observei que alguns líderes que trabalhavam à noite, por precisarem tocar outras questões pela manhã, estavam enviando mensagens aos funcionários no período noturno. Fui mapeando todos os casos e falei com cada profissional”, diz Fernanda, que acredita no poder da sensibilização da liderança para que a produtividade não se torne tóxica.

Este trecho faz parte da edição 77 da VOCÊ RH(dezembro/janeiro). 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)