Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Inteligência artificial: a nova fronteira da gestão de pessoas

Profissionais têm usado o ChatGPT para atividades como montar descritivos de cargo, criar roteiros de entrevistas e estruturar ideias para reuniões

Por Isis Borge
Atualizado em 19 abr 2023, 15h52 - Publicado em 7 abr 2023, 07h02
T

emos acompanhado o frequente surgimento de novos sistemas de inteligência artificial (IA) para automatizar, facilitar e desburocratizar uma série de ações no nosso dia a dia. O frisson do momento é o ChatGPT, que surpreende positivamente cada novo usuário. Eu tenho visto as pessoas ao meu redor utilizarem a plataforma para montar um descritivo de cargo, criar roteiros de entrevistas por competências, revisar ou traduzir pareceres sobre perfis, estruturar ideias para reuniões e esclarecer dúvidas corriqueiras, entre tantas outras rotinas. É um robô que se comunica de maneira muito parecida com o ser humano por meio da escrita em formato de chatbot, gerando respostas para os mais variados questionamentos e temas, sem a mecanização que vemos na Siri ou na Alexa, por exemplo.

A desvantagem é que se trata de um banco de dados que não está conectado à internet e que foi atualizado apenas até setembro de 2021. Os textos, de uma forma geral, são bons e bem completos, mas sem o toque pessoal que só o ser humano consegue dar. Há quem diga que esse pequeno “oráculo” pode revolucionar o modo como nos conectamos com as informações, com potencial para substituir os buscadores tradicionais no futuro, quando o sistema estiver mais sofisticado.

O Elon Musk e o Sam Altman, que são alguns dos fundadores da OpenAI, desenvolvedora do ChatGPT, de fato conseguiram criar algo que facilita e muito a rotina. Já existe até uma parceria dos desenvolvedores com a Microsoft para o ChatGPT trabalhar junto com o Teams escutando as reuniões e transcrevendo o áudio desses encontros. Se isso ocorrer, não precisaremos mais tomar nota das inúmeras conversas que temos todos os dias.

Continua após a publicidade

Eu comparo o ChatGPT à revolução que vimos no passado com a manufatura, quando tarefas repetitivas de linhas de produção foram sendo automatizadas por robôs, aumentando a produtividade das fábricas. Hoje, com a IA, estamos, na prática, facilitando o trabalho das pessoas, automatizando o que é muito manual, braçal e repetitivo. Com isso, é fato que departamentos possam, talvez, passar a trabalhar com menos pessoas.

Também existem aqueles que enxergam a tecnologia como mais um colega de trabalho que esclarece dúvidas cotidianas. No entanto, as nuances, o tom, o requinte, a personalização e o pensamento crítico que o ser humano agrega para o todo do conteúdo de um texto ainda são imprescindíveis. Isso faz com que a ferramenta seja útil para que possamos migrar a nossa atenção da parte operacional para a parte intelectual das ações. Acredito que o ser humano continuará tendo o seu lugar garantido, pilotando as perguntas certas por trás da máquina.

Ao meu ver, a IA ficará mais perigosa quando começarmos a criar robôs que tenham a capacidade intelectual de evoluir sozinhos e, por exemplo, além de elaborar uma lista de perguntas, entrevistar e avaliar um candidato a emprego. E quando um candidato puder utilizar um robô para fazer a entrevista no seu lugar. Diante de uma possível evolução dessa ação, será preciso criar um mecanismo para distinguir humanos de máquinas.

Isso me lembra o antigo filme Blade Runner, em que os androides eram quase idênticos aos seres humanos, diferenciando-se apenas por uma reação na retina dos olhos em momentos de interação. Sei que ainda estamos muito longe de chegar a essa realidade, mas é algo para termos no radar, principalmente diante de um relatório do Institute for the Future, em parceria com a Dell, que prevê que 85% dos empregos que existirão em 2030 ainda não foram inventados.

Continua após a publicidade

Por enquanto, devemos aproveitar o melhor que as tecnologias podem trazer para o nosso dia a dia. Entender de que forma elas podem ser nossas aliadas, nos poupar tempo e como podemos aproveitar essa realidade para otimizar a nossa rotina e contribuir mais e melhor com as atividades por meio das nossas habilidades técnicas e comportamentais. Em vez de entrar em pânico, esse deve ser o nosso foco.

Compartilhe essa matéria via:

Assinante: a reportagem completa pode ser lida no app ou no Go Read

Este trecho faz parte de uma reportagem da edição 85 (abril/maio) de VOCÊ RH. Clique aqui para se tornar nosso assinante

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.